Quem Somos?

O Movimento Brasileiro pelos Céus Abertos é formado por um grupo de companhias e associações da indústria do turismo e da aviação, a maioria presente no Brasil. Nossos esforços têm a intenção de apoiar a implementação do acordo de Céus Abertos entre Brasil e Estados Unidos, que aguarda aprovação do Congresso brasileiro desde o segundo semestre de 2016.

O Acordo de Céus Abertos dos Estados Unidos com o Brasil trará benefícios e transformações positivas para toda a população brasileira. Acreditamos que isso possa ser atingido ao fortalecer o setor aéreo, o que gerará benefícios econômicos como novos empregos e mais investimentos, em diferentes áreas relativas aos setores de turismo e aviação.

Para essa finalidade, acreditamos que a implementação do Acordo de Céus Abertos, assinado por Brasil e EUA em 2011 e que começa a ser analisado pelo Congresso brasileiro, é fundamental para o crescimento do setor.

O que são os acordos de Céus Abertos?

Os Céus Abertos são acordos de serviços aéreos internacionais que eliminam quase todas as barreiras no serviço aéreo internacional entre os países signatários. Os Céus Abertos permitem que qualquer companhia aérea, sediada em qualquer país, atenda outra nação com voos internacionais (não domésticos).

Os Céus Abertos são pró-consumidor, pró-competição e pró-crescimento. Incluem obrigações recíprocas nas decisões comerciais das companhias aéreas sobre rotas internacionais, capacidade e preços, de modo que as empresas possam fornecer serviços aéreos mais acessíveis, convenientes e eficientes aos consumidores. Isso promove o aumento das viagens e comércio internacional e facilita o crescimento econômico geral .

Os acordos de Céus Abertos melhoram a flexibilidade para as operações aéreas, expandem as oportunidades de marketing cooperativo entre as companhias, possibilitam as redes globais de frete de entrega expressa, liberalizam os regulamentos de fretamento e comprometem os governos envolvidos com altos padrões de segurança.

Os Estados Unidos têm acordos de Céus Abertos em vigor com mais de 120 países e com todas as nações da América do Sul, menos Venezuela, Equador, Bolívia, Belize, Argentina e Brasil. O Brasil assinou o acordo de Céus Abertos com os Estados Unidos em 2011, mas o tratado não foi ratificado pelo Congresso Brasileiro.

Por que é importante para o Brasil?

Com a implantação do acordo, haverá mais voos entre o Brasil e os Estados Unidos. Como resultado, os brasileiros vão acessar os EUA mais facilmente, o mesmo ocorrendo com os passageiros que partem daquele país, aumentando o turismo e o comércio bilaterais.

A IATA (Associação Internacional de Transporte Aéreo) estima que o número de passageiros em rotas internacionais de/para o Brasil possa aumentar 47% após a ratificação do Céus Abertos, gerando cerca de 6 milhões de passageiros internacionais para o Brasil, de diferentes países.

Nos diferentes países em que os Céus Abertos foram adotados houve aumento significativo nos voos, o que beneficiou os passageiros, promoveu o desenvolvimento do setor aéreo e contribuiu para o crescimento econômico.

Isso é demonstrável quando se compara quantidade de viagens aéreas realizada no Brasil, com a de outros países que já assinaram o acordo.

No Brasil, o percentual de viagens aéreas per capita é de 1,8%, menos da metade da porcentagem alcançada pelo Chile (3,5%), Peru (3,1%) e pela Colômbia (4,3%). No Brasil, a viagem anual média para os Estados Unidos para cada mil habitantes é de apenas 26. Já nos países da região que ratificaram o acordo, como Chile, Colômbia, Paraguai, Peru e Uruguai, são operadas aproximadamente 53 viagens anualmente por cada mil habitantes.

O aumento do tráfego e dos serviços tende a promover um crescimento dos empregos diretos e indiretos no setor de aviação, como resultado das contratações efetuadas pelas companhias aéreas e outras relacionadas ao setor de aviação, como a de Turismo, para atender a expansão das atividades.
No Chile, por exemplo, 35 mil empregos diretos e indiretos foram criados poucos anos após a implantação do acordo, em 1997.

Benefícios dos Céus Abertos:

  • O crescimento do tráfego aéreo entre os países signatários do acordo é de 16% em média
    Saiba mais
  • Os Céus Abertos geram redução das tarifas entre 15% e 20%
    Saiba mais
  • No Chile, a redução das tarifas foi de 18% em média
    Saiba mais
  • As tarifas aéreas de Israel para os países da Europa Ocidental caíram 15% desde que o acordo de Céus Abertos foi assinado entre essas nações, em 2012
    Saiba mais
  • Impacto da indústria da aviação sobre o PIB mundial varia entre 4% e 8% uma melhor infraestrutura e maiores oportunidades de negócio para todos.
    Saiba mais